4 estratégias essenciais para garantir a saúde fiscal da empresa

4 estratégias essenciais para garantir a saúde fiscal da empresa

jan. 25-2021

Por Midas

Tags:

Nós sabemos que os impostos não devem direcionar o comportamento da empresa, mas é preciso considerá-los desde o início da sua jornada.

Quanto antes você se organiza por meio de uma boa estratégia fiscal, mais rápido ela se atrela aos seus processos e procedimentos e menor a chance de ser pego de surpresa.

A relação entre as empresas e o Fisco é algo que passa por constante avaliação e por isso, todos os detalhes impostam.

Pensando nestas questões, hoje vamos apresentar algumas estratégias que vão te ajudar a garantir a saúde fiscal da sua empresa.

 E por consequência da sua relação com os órgãos fiscais com os quais seu negócio se relaciona.

Continue lendo para conferir!

 

LEIA TAMBÉM: ICMS 2021: saiba tudo o que foi alterado na legislação neste ano

1. Mantenha um registro de riscos fiscais

É importante que as empresas estabeleçam, monitorem e mantenham um registro de riscos fiscais que precisam ser revisados pela diretoria regularmente. Ele deve conter:

  • Avaliação regular dos riscos fiscais internos e externos da organização e controles implementados para gerenciar esses riscos 
  • Identificação, monitoramento e documentação de controles e processos abrangendo os riscos fiscais derivados de todos os processos fiscais, incluindo os relatórios financeiros
  • Obter a auditoria das autoridades fiscais relevantes em relação a qualquer área de incerteza fiscal

 

2. Faça uma verificação da saúde fiscal

Os tributos no Brasil sofrem constantes e rápidas mudanças e fazer revisões periódicas garante a eficácia dos processos, já que existem diversas variações entre estados, municípios e o governo federal.

Esse tipo de verificação deve cobrir os princípios mais importantes das regras fiscais assegurando que suas obrigações estejam sendo cumpridas. Ela pode analisar itens como:

  • Erro nos formatos dos arquivos
  • Inconformidades legislativas
  • Desvio de informações
  • Atraso nas entregas

Um grupo de profissionais da sua empresa ou mesmo externo pode ajudar com essa verificação. Assim, é possível identificar problemas antes que seja tarde e eles já tenham chegado até o Fisco.

Além de analisar se os tributos estão sendo pagos corretamente e as regras fiscais estão sendo seguidas, também pode fazer parte dessa revisão a constatação da possibilidade de uso de incentivos fiscais.

A fim de encorajar a inovação, incentivos em relação à pesquisa e desenvolvimento, aos intangíveis ou até mesmo o setor criativo no geral são disponibilizados e você pode ter acesso a um ou mais deles.

Lembre-se de consultar seu contador sobre as possibilidades.

 

3. Use indicadores-chave de desempenho (KPIs)

A principal função destes indicadores é fornecer dados relevantes para que você consiga tomar decisões mais estratégicas.

No caso do departamento fiscal não seria diferente. Os KPIs ajudam a promover uma gestão mais eficaz dos impostos e com isso minimiza riscos financeiros.

Alguns dos KPIs que podem ser aplicados ao setor tributário da sua empresa são:

  • Total de obrigações entregues, que é um detalhamento de todos os impostos diretos e indiretos pagos, declarações, regulamentações e escriturações entregues
  • Montante de pagamentos irregulares, que é o valor total da diferença entre o valor do pagamento a ser feito e o valor que consta na nota lançada
  • Taxa de imposto efetiva: é o valor total que a empresa paga ao Fisco, por isso é um dos indicadores mais importantes
  • Quantidade de erros de emissão, que englobam valores e descrições de produtos na emissão de notas e enganos sobre datas que quando incorretos prejudicam os prazos 
  • Total de notas pagas no prazo, para garantir o compliance da empresa e melhorar processos, já que é a entrega no prazo correto é uma determinação por lei

 

4. Otimização tributária

A premissa da otimização tributária é buscar a carga tributária ideal da empresa, levando em consideração todas as possibilidades legais e adequadas por meio da aplicação das melhores práticas possíveis.

E para uma otimização eficiente, deve-se, primeiramente, levar em consideração o setor econômico onde a empresa atua e existe flexibilidade na forma de fazer negócio.

Afinal, tributos sobre vendas como o ICMS, ISS, PIS e COFINS são variantes de acordo com o formato da transação.

Por exemplo, uma empresa em que o comercial mude seu objeto para serviços de intermediação passa a contribuir com o ISS e não mais ICMS.

Mas para que você não confunda elisão (otimização) com evasão fiscal, que é um crime, é necessário conhecer profundamente a forma de operação da sua empresa e os tributos aos quais ela está sujeita.

Tendo isso em mente, sempre consulte especialistas antes de qualquer alteração no departamento fiscal da sua empresa.

Gostou do conteúdo? Então, compartilhe com os colegas e continue acessando o blog Midas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *