IRPJ

11 dicas essenciais para dominar sua próxima declaração de IRPJ

Empreender nunca é uma tarefa fácil. E se sua empresa está começando agora ou já está estabelecida no mercado, você deve conhecer suas obrigações com o Fisco.

Estar por fora das regras que devem ser seguidas pelo regime tributário da sua escolha pode causar multas com valores altíssimos. E se é possível evitar essa crise com a Receita Federal, por que não?

Então, para poupar essa DR entre você e a Receita, preparamos 11 dicas essenciais que te ajudam a se preparar para a entrega do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica.

Continue lendo para saber tudo o que você precisa sobre esta declaração!

LEIA MAIS: Escrituração fiscal: o guia prático para você entregar a sua sempre no prazo

1. Quem é obrigado a entregar o IRPJ?

A declaração do IRPJ é obrigatória para todas as empresas e empreendedores individuais que estão registrados no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

2. Para quem não é mandatório o IRPJ

Se sua empresa se encaixa como filantrópica, cultural, recreativa ou científica, o IRPJ não é obrigatório para você.

3. Como funciona a apuração?

A apuração do IRPJ depende de itens como atividade econômica, segmento no qual atua, demanda de valores movimentado anualmente.

4. O regime ideal para sua empresa

As regras para a declaração do IRPJ são diferentes para cada regime tributário disponível. E você pode redefinir o seu no início de cada ano fiscal.

Por isso é importante sempre estar atento ao crescimento da sua empresa, pois é aí que o regime pode precisar de alteração e a forma da declaração mudar junto com ele.

5. Forma de realizar o pagamento

Existem duas opções para o pagamento do IRPJ. Um é pela guia DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais), gerada pelo contador.

E no caso do Simples Nacional isso só pode ser feito através do DAS (Documento de Arrecadação do Simples).

6. Quando devo prestar contas ao Fisco?

Diferente do Imposto de Renda de Pessoa Física, o IRPJ não é anual. Ele pode ser apurado trimestralmente ou no caso do regime pelo tributário Lucro Real, mensalmente.

7. A forma correta de encaminhar a declaração

Para transmitir a declaração do Imposto de Renda corretamente é obrigatória a assinatura digital com certificado digital válido.

Juntos eles são sua identidade no meio eletrônico. E é importante ressaltar que a assinatura é válida juridicamente no país todo.

8. Atenção aos prazos

Para não pagar mais, fique ligado nos prazos. As multas para atraso variam entre 2% e 20%, além de um valor de R$ 20,00 a cada dez informações que estiverem incorretas ou forem omitidas.

Se já tiver perdido a data de entrega a multa é reduzida em 50% se a declaração for entregue antes da notificação da Receita, e em 75% se entregue dentro do período proposto pela intimação do Fisco.

9. Armazenamento de dados e seus benefícios

Ter um software de gestão auxilia na organização e armazenamento de dados.

Com isso é mais difícil que aconteça uma incoerência entre os registros contábeis da empresa e o que é declarado.

10. Seus funcionários precisam estar por dentro

Enviar o informe da declaração para os funcionários é obrigatório. O documento deve conter informações referentes a rendimentos, contribuições ao INSS, imposto de renda retido na fonte, coparticipação e eventuais contribuições à previdência privada.

Em caso de não fornecimento ou informação incorreta existe uma multa de R$ 41,43 para cada documento inadequado.

11. É possível economizar

Com uma boa assessoria é possível recorrer a alguns elementos a fim de reduzir a base de cálculo do IRPJ e dessa forma gerar economia.

Por exemplo, através de créditos fiscais ou incentivos para funcionários, como o vale alimentação, é permitida a redução na incidência do imposto.

O que achou das dicas? Deixe um comentário! E se gostou do conteúdo, compartilhe com seus colegas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *