como pagar menos impostos

Como pagar menos impostos: o passo a passo completo

jan. 10-2020

Por Midas

Tags: ,

E se você conseguisse diminuir o volume de impostos pagos da sua empresa?

Não seria ótimo poder ter mais recursos para investir na sua expansão de mercado ou em outras decisões estratégicas?

Então, se você quer reduzir sua carga tributária e descobrir como ter um fluxo de caixa mais saudável dentro da legalidade, veja a seguir o caminho das pedras!

Como pagar menos impostos legalmente?

Se existisse uma receita de bolo, você com certeza já saberia a resposta e nem teria clicado neste artigo.

Mas duas palavras resumem essa jornada: informação e planejamento.

Informação porque é necessário entender a fundo a complicada malha tributária brasileira – tanto na esfera municipal, quanto na estadual e federal.

E planejamento porque pagar menos impostos significa ter um planejamento tributário.

Falando nele, uma das ferramentas do planejamento tributário é a prática da elisão fiscal, que significa justamente encontrar o caminho mais vantajoso para o pagamento dos impostos dentro da legalidade.

Não confunda elisão com evasão fiscal

Como são palavras parecidas, muita gente confunde elisão com evasão fiscal.

A elisão fiscal é uma estratégia contábil que ajuda as empresas a pagar menos impostos sem extrapolar os limites da lei.

Já a evasão fiscal é o oposto: é quando empresas tentam escapar das obrigações fiscais – a famosa sonegação.

Por exemplo: uma das estratégias de elisão fiscal é diminuir o pró-labore dos sócios da empresa, que como qualquer salário tem as despesas da folha de pagamento.

Dessa forma, o restante do valor seria pago pelos dividendos.

Porém, a linha entre elisão e evasão é tênue.

Nesse caso específico, a estratégia só é permitida quando a empresa está sendo, de fato lucrativa.

Ou seja, ajuda profissional é imprescindível para encontrar os cenários certos para reduzir a sua carga tributária e ao mesmo tempo ficar dentro da lei.

1º Passo: Comece tendo um contador competente

Ter um contador ponta firme é a base de uma boa elisão fiscal.

Afinal, esse profissional tem o conhecimento necessário para ajudar você a navegar pela carga tributária brasileira, atividade que exige conhecimentos muitos específicos e constantemente atualizados.

Por isso, construir uma relação de parceria com o seu é essencial para conseguir pagar menos impostos.

E independentemente do seu porte, negligenciar a escolha do contador ou empresa contábil pode acabar te custando muito caro.

2º Passo: Analise o seu regime tributário

O outro passo essencial para pagar menos impostos é estar no enquadramento fiscal certo.

Caso contrário, você pode estar pagando mais ou menos impostos do que o necessário. E pode confiar que nenhum desses cenários tem um final feliz para o seu fluxo de caixa!

Explico pra você os principais regimes tributários, do mais simples ao mais complexo:

 

Simples Nacional

Se enquadram no Simples Nacional as empresas que faturam até 3,6 milhões de reais no ano.

Visto como vantajoso, ele tem alíquotas menores e o pagamento é feito através de uma só guia: o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS).

Lucro Presumido

Nesse regime, a Receita determina a base de cálculo do IRPJ e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) sem precisar apurar os lucros e as despesas da empresa (com algumas exceções).

Dessa forma, há uma porcentagem estimada dependendo da área de atuação da companhia. Para o comércio, por exemplo, a lei estima 8% de lucro.

Lucro Real

Como o próprio nome já diz, a base de cálculo para o recolhimento do IRPJ e do CSLL é baseada no lucro líquido da empresa nesse regime (ao invés do faturamento).

É a única opção para as empresas de grande porte que faturam acima de R$ 78 milhões. E é claro que com o porte maior também vêm complexidade e margens de contribuição superiores.

Vale a pena conversar com o contador e estudar qual é o regime mais vantajoso do ponto de vista financeiro. E lembrando que a mudança para um novo regime acontece só no começo do ano.

Leia mais: Por que estar no regime tributário certo é tão importante para a sua empresa

3º Passo: Tenha um cronograma de pagamento organizado

Pagar as contas em dia é essencial para qualquer empresa funcionar bem, certo?

O mesmo se aplica ao pagamento dos impostos.

Isso porque ao perder os prazos, você precisa lidar com multas e juros que agravam o caixa da empresa desnecessariamente.

E tem mais: os órgãos reguladores podem interpretar os seus atrasos como sonegação.

Por isso, ao saber das particularidades do seu regime tributário, controle junto ao contador as datas de cada guia a ser paga.

E se a sua empresa está atrasada na prestação de contas, você pode usar o REFIS, um programa do Governo que ajuda a regularizar alguns débitos sem pagar juros.

4º Passo: Mapeie possíveis incentivos fiscais

O governo brasileiro oferece incentivos fiscais para promover o desenvolvimento econômico e social do país.

Ou seja, dá benefícios para que as empresas ajudem a economia do país a girar.

Atualmente, existem 5 tipos de incentivos:

  • Incentivos Federais

São exclusivos para empresas tributadas pelo Lucro Real. Um exemplo de incentivo federal para a indústria é a redução quase a zero das alíquotas para o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para máquinas e equipamentos.

  • Incentivos Estaduais

Cada estado brasileiro é livre para oferecer incentivos exclusivos às empresas localizadas nele.

  • Incentivos Municipais

As cidades também determinam os incentivos para as empresas locais. Um dos clássicos é a redução do valor do IPTU.

  • Incentivos Regionais

Talvez você não saiba, mas a Zona Franca de Manaus é um incentivo fiscal! Uma das isenções que ela proporciona para as empresas situadas na região é a do PIS/Pasep nas operações internas.

  • Incentivos Setoriais

O exemplo mais conhecido de incentivo setorial é a Lei Rouanet, criada para estimular o setor cultural. Através dela, empresas podem usar parte do seu IRPJ devido em museus, shows, eventos e outros projetos.

5º Passo: Seja sempre íntegro

Sonegar impostos não deve nem ser uma das suas escolhas.

Caso você esteja em dúvida sobre o que configura sonegação, o Artigo 1º da lei 4.729/65 detalha as práticas consideradas ilegais.

As sanções vão de multas até o encerramento das atividades da empresa. Ou seja, não vale a pena correr o risco!

Afinal, como você pode ver, é possível, sim, aprender como pagar menos impostos sem ir pelo caminho da ilegalidade, que mais cedo ou mais tarde, irá cobrar seu preço.

Aproveite agora e veja como fazer uma apuração de impostos que ajuda você a economizar ainda mais!

E se puder, compartilhe o link deste artigo nas redes sociais e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *